0

O pó da letargia

Posted by José Flávio Santos de Carvalho on 00:14
Sexta-feira, 24 de outubro



Acabo de ler nos sites de notícias que, segundo pesquisa realizada pelo instituto de pesquisa Datafolha, a candidata à reeleição, Dilma Rousseff, ultrapassou pela primeira vez neste segundo turno, o candidato tucano Aécio Neves.

Os números do Datafolha mostram Dilma com 53% das intenções de votos válidos, e Aécio com 47%. Com esse resultado, a diferença entre eles sai da margem dos tais dois pontos percentuais para mais ou para menos. A pesquisa foi encomendada pelo jornal Folha de São Paulo e pela TV Globo. Ao todo foram ouvidas 9.910 pessoas.

No meio de todo esse estrelato, e mesmo estardalhaço, que envolve uma campanha eleitoral para a presidência de um país, fico observando como são espertalhões os marqueteiros do PT. O que temos visto é uma campanha agressiva, que foge aos limites da ética pré-estabelecida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e pelos bons princípios, como por exemplo, os funcionários dos Correios foram flagrados distribuindo panfletos da candidata petista.

O uso de telemarketing para envio de mensagens em massa através dos aplicativos de celulares é proibido pelo TSE, porém, na noite de quarta-feira (22), uma empregada doméstica recebeu uma mensagem pelo celular induzindo-a de que se Aécio ganhasse a campanha poderia acabar com o benefício. Os beneficiários do Bolsa Família são, em sua maioria, mulheres, sendo que Aécio vem perdendo votos do eleitorado feminino.

Esses projetos sociais mantidos pelo governo são muito bons e, sem dúvida, ajudam a muita gente, mas vendo tudo isso fico a imaginar se eles foram pensados e postos em prática por uma questão humanitária ou apenas para servirem como massa de manobra. Lembro-me que outro dia estava num táxi quando surgiu esse assunto de política e na conversa o taxista falou: “Esses projetos sociais ajudam os mais carentes, sem dúvida, mas ajudam muito mais aos políticos a perpetuarem-se no poder”. Sábia visão de mundo a daquele taxista.

Observando todo esse cenário, fico pensando: Afinal qual o projeto do Partido dos Trabalhadores? Um projeto de poder ou um projeto de Estado?

O mensalão, um dos maiores escândalos políticos do país — Pelo menos era considerado assim até o início dessas denuncias de propinas em obras da Petrobrás — foi uma clara demonstração de uma tentativa de consolidação de poder. Para o ministro do Supremo, Gilmar Mendes, o objetivo a ser estabelecido com a compra de deputados, era criar uma base aliada que fosse permanente, engendrando um projeto que ia bem mais além que um programa de governo. Por essa concepção o Estado se confundiria com o próprio partido.

Esses caminhos e essas reflexões nos aproximam dos Estados não-democráticos, e regimes totalitários e nos afastam dos Estados democráticos, pois, nos primeiros, chefe de partido e chefe de estado são apenas as duas faces de uma mesma moeda. O paradoxo é que nos primeiros anos do governo petista foram realizadas importantes mudanças na economia do país, em contrapartida, esse mesmo governo aplaudia e apoiava governos de países que andavam na contramão da democracia, como Venezuela e Cuba, por exemplo. Quando o presidente venezuelano, Hugo Chávez, em atitude ditatorial, fechou a RCTV, emissora da TV aberta, o PT soltou nota defendendo a atitude do presidente venezuelano e o fechamento da emissora.

... E assim, em meio a letargia e a denuncias de corrupção, vamos marchando para as urnas... E que Deus nos ajude.

Abaixo, compartilho matéria publicada pelo jornal O Globo

***
Veja’: doleiro diz que Dilma e Lula sabiam de tudo

Segundo revista, Alberto Youssef teria dito à PF que Planalto conhecia esquema de corrupção na Petrobras

POR O GLOBO

SÃO PAULO — Em depoimento à Polícia Federal e ao Ministério Público em Curitiba, segundo a revista “Veja”, o doleiro Alberto Youssef teria dito que a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva “sabiam de tudo” sobre o esquema de corrupção na Petrobras. Ainda conforme a revista, que antecipou, nesta quinta-feira à noite, trecho da reportagem a ser divulgada hoje na íntegra, a revelação teria sido feita por Youssef na última terça-feira.

Perguntado sobre o nível de comprometimento de autoridades no esquema de corrupção na Petrobras, o doleiro teria afirmado:

— O Planalto sabia de tudo!

Perguntado pelo delegado que colhia o depoimento a quem ele se referia, Youssef teria respondido:

— Lula e Dilma.

O advogado de Youssef, Antonio Figueiredo Basto, confirmou que o doleiro prestou depoimento à Polícia Federal de Curitiba na última terça-feira, mas disse não ter conhecimento da informação citada pela revista.

— Eu nunca ouvi nada que confirmasse isso (que Lula e Dilma sabiam do esquema de corrupção na Petrobras). Não conheço esse depoimento, não conheço o teor dele. Estou surpreso — afirmou Basto.

Advogado alerta para “especulação”

Ele disse que Youssef prestou muitos depoimentos no mesmo dia e que o doleiro estava acompanhado de advogados de sua equipe.

— Conversei com todos da minha equipe e nenhum fala isso. Estamos perplexos e desconhecemos o que está acontecendo. É preciso ter cuidado porque está havendo muita especulação.

Basto também disse que a defesa não possui cópia do que foi falado por Youssef à Polícia Federal.

— Nós não temos como pegar em mãos e não ficamos com cópia de nada. Então, não nego nem confirmo se esse depoimento é verdadeiro, se essa informação foi dada ou não e se sim, em quais circunstâncias.

O depoimento citado pela revista não tem relação com os que foram prestados à 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba, cujo teor já foi divulgado anteriormente.

O doleiro está preso em Curitiba desde março e é acusado de ser um dos chefes do esquema que teria desviado cerca de R$ 10 bilhões desde 2006. Seria a primeira menção de Youssef ao nome de Dilma nas investigações. Ele já havia citado Lula em depoimento prestado à Justiça Federal no dia 8 deste mês. Na ocasião, Youssef disse que Lula teve que ceder aos políticos de partidos acusados de participar das fraudes na Petrobras e empossou Paulo Roberto Costa na diretoria de Abastecimento. Ele afirmou que “agentes políticos” ameaçaram trancar a pauta do Congresso.

— Tenho conhecimento que, para que o Paulo Roberto Costa assumisse o posto, esses agentes trancaram a pauta no Congresso por 90 dias. Na época, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ficou louco e teve de ceder e empossar Paulo Costa na diretoria de Abastecimento — afirmou, de acordo com vídeo do depoimento disponibilizado pela Justiça Federal.
O doleiro ainda disse que o PT, PMDB e PP estavam envolvidos num esquema de corrupção na Petrobras que consistia na cobrança de propinas de empreiteiras pelo tesoureiro petista João Vaccari e pelo peemedebista Fernando Soares. As obras da estatal eram escolhidas por um cartel de dez empresas, que superfaturavam os preços em algo em torno de 20%, dinheiro que era dividido para políticos e diretores da estatal.

No trecho da reportagem divulgado ontem à noite, “Veja” faz um relato da chegada de Youssef na sala para o interrogatório. “A temporada na cadeia produziu mudanças profundas em Youssef. Encarcerado desde março, o doleiro está bem mais magro, tem o rosto pálido, o cabelo raspado e não cultiva mais a barba. O estado de espírito também é outro. Antes afeito às sombras e ao silêncio, Youssef mostra desassombro para denunciar, apontar e distribuir responsabilidades na camarilha que assaltou durante quase uma década os cofres da Petrobras”, descreve a reportagem.

Pedido para adiamento da CPI

Youssef vai pedir à CPI da Petrobras que remarque seu depoimento, previsto para a próxima quarta-feira, para depois que seu acordo de delação premiada for homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o que não tem data marcada para acontecer. O advogado de Youssef, Antônio Figueiredo Basto, disse que o doleiro permanecerá em silêncio se o depoimento for mesmo confirmado para semana que vem.

— Meu cliente vai permanecer calado na quarta-feira. Por conta do acordo de delação premiada que ele fez com a Justiça, ele tem que permanecer em silêncio. Ele está disposto a falar à CPI, mas só depois da homologação do acordo com o STF. Por isso, é melhor que a CPI redesigne o depoimento para outra data. Até para evitar o deslocamento para Brasília, escolta e todos os gastos decorrentes da viagem — disse Basto.

Basto aguarda que o juiz federal de Curitiba, Sérgio Moro, despache seu pedido de anulação do depoimento do testa de ferro Leonardo Meirelles, diretor presidente da Labogen, no qual ele diz que Youssef tinha negócios com o PSDB.

Segundo o advogado, Youssef nega ter tido negócios com o PSDB e quer uma acareação com Meirelles para desmenti-lo. De acordo com o advogado, o juiz só deve despachar seu pedido na segunda-feira. Em depoimento de Meirelles ao juiz Moro, na última segunda-feira, o diretor do Labogen disse que Youssef fazia negócios com o PSDB e com o ex-presidente do partido Sérgio Guerra.

Ao tomar conhecimento do depoimento de Meirelles, Youssef pediu que seu advogado desmentisse a informação oficialmente.




0 Comments

Postar um comentário

Copyright © 2009 Cottidianos All rights reserved. Theme by Laptop Geek. | Bloggerized by FalconHive. Distribuído por Templates