0

Dilma Roussef e Aécio Neves se enfrentam no segundo turno

Posted by José Flávio Santos de Carvalho on 00:38
Segunda-feira, 06 de outubro



O resultado das urnas confirmou o que indicavam as pesquisas feitas no sábado, que apontavam Dilma Rousseff e Aécio Neves no segundo das eleições 2014, para a Presidência da República. O clima em todo o país foi de tranquilidade. Nas cidades, nas quais a identificação dos eleitores se deu pelo modo biométrico — aquele no qual a identificação é feita através das impressões digitais —, a votação não foi tão célere, o que resultou em reclamação e incomodo por parte dos eleitores, mas nada que, efetivamente, viesse atrapalhar o pleito. Espero que esses detalhes sejam corrigidos, pois uma vez que o projeto é implantar esse sistema em todo o país, é de interesse de todos que continuemos a ter um processo eleitoral altamente eficiente.

Outras pessoas, em diversos estados do país, foram parar na delegacia por estarem fazendo propagando de seus candidatos, o que, por lei, é proibido. Uma mesária chegou a ser presa, na região metropolitana de Belo Horizonte, por estar fazendo “boca de urna” dentro da seção eleitoral na qual trabalhava. Ele disse à polícia e a à imprensa que uma eleitora havia esquecido o número do candidato no qual ia votar e ela, mesária, quis ajuda a eleitora, uma vez que, “por coincidência?” estava com um panfleto daquele mesmo candidato no bolso. Das duas uma: Ou ela era muito ingênua, ou estava com más intenções. O que a mesária não contava é que o próximo da fila era um Promotor de Justiça do Rio de Janeiro, que estava ali com a finalidade de justificar o voto. Ao perceber a irregularidade o Promotor acionou a polícia e atendente foi levada para a delegacia.

Afora esses e outros incidente semelhantes, a votação correu em clima de normalidade. Ah, outra coisa irritante e que foi citada pelos eleitores em várias reportagens foi o fato de que políticos porcos mandam seus correligionários soltarem, santinhos, panfletos com propaganda política nas ruas, o que enfeia as cidades e as ruas, em alguns casos chegando a provocar acidentes, como foi o caso de uma eleitora de 70 anos em São Carlos, no estado de São Paulo. A idosa se dirigia ao local de votação quando, ao atravessar a rua, escorregou num desses malditos santinhos e bateu com a cabeça no chão. Levada ao hospital, sem cumprir o dever cidadão ao qual tinha se proposto ao sair de casa, foi medicada e passa bem. Jogar papéis com propaganda política nas ruas é crime, mas como não há uma fiscalização efetiva, esse crime é constantemente cometido. Isso na verdade é uma questão de educação, mais que de cidadania.

Meus aplausos nesta eleição vão para um baixinho que gostava de fazer gols, muitos gols, chamado Romário. O candidato me surpreendeu e surpreendeu a todos os brasileiros. Ele acaba de ser eleito Senador da República pelo estado do Rio de Janeiro. Com 100% dos votos apurados no estado do Rio, Romário foi eleito com um percentual de 63,39% dos votos.

Eu posso afirmar que, no Senado, vocês vão ver um Romário mais determinado, um Romário sempre lutando para trazer, através de emendas, ajudas para o nosso estado. Eu vou ser um grande representante desse povo, como não foi diferente como deputado", disse o senador eleito à imprensa.

Digo que Romário me surpreendeu, pois quando era jogador de futebol, não era muito afeito aos treinos, era dado a noitadas nas noites cariocas e coisas mais. Quando entrava em campo resolvia a parada, mas sua imagem fora de campo parecia ser a de alguém sem compromisso com algo mais sério. Essa a impressão que passava. Porém, já naquela época ele desenvolvia projetos sociais destinados a ajudar crianças carentes, através do Instituto Romário de Souza Faria, fundado em 1995. Essas iniciativas, porém, não eram divulgadas pela imprensa.

Eleito deputado federal em 2010, pensei: “mais um que vai para o legislativo ganhar dinheiro fácil, sem muito envolvimento com questões sociais. Ao contrário do que pensava, como deputado federal Romário teve um excelente desempenho, o que demonstra a votação expressiva que obteve para o senado.

Voltemos ao palco principal da eleição. Foi absolutamente surpreendente o crescimento do candidato Aécio Neves na reta final da campanha. Há pouquíssimos dias, as pesquisas de intenção e voto apontavam Marina Silva e Dilma Rousseff no segundo turno, ficando Aécio em terceiro lugar, fora da disputa. A partir de hoje, começa uma nova campanha. Para quem irá os votos de Marina Silva? Que alianças serão costuradas neste segundo turno? A quem Marina irá apoiar? Manterá ela uma postura de neutralidade ou declarará apoio a algum dos dois concorrentes?

A verdade é que as eleições deste domingo puseram fim a um primeiro turno cheio de reviravoltas. Primeiramente, Dilma aparecia em primeiro lugar nas pesquisas — houve até quem apostasse que ela ganharia no primeiro turno — e Aécio Neves, neto de Tancredo Neves, em segundo lugar. Eduardo Campos aparecia em terceiro, porém em uma posição que não ameaçava ao segundo colocado, nem muito menos ao primeiro.

Com a morte de Campos, em 13 de agosto, e a escolha de Marina como presidente na chapa do PSB, as coisas mudaram e muito. Marina passou à frente de Aécio na disputa e chegou a ameaçar seriamente, a primeira colocada, Dilma Rousseff. Com ataques e críticas agressivas, Dilma conseguiu afastar-se de Marina. Os tucanos também atacaram Marina. PT e PSDB começaram a apontar incoerências na postura de Marina e lançar dúvidas nos eleitores quanto ao preparo da candidata para gerir os destinos da nação. Não deu outra, a candidatura de Marina derreteu, desintegrou.

Com o resultado das eleições de ontem, não vejo se descortinar sobre o cenário político brasileiro, nenhuma mudança. Nada de novo. Velha política. Velhas ideologias. Os métodos de sempre.


Mas temos de eleger alguém, então vamos pensar bem e escolher o melhor, no final do mês. Afinal, no final, ainda resta alguma esperança. 

0 Comments

Postar um comentário

Copyright © 2009 Cottidianos All rights reserved. Theme by Laptop Geek. | Bloggerized by FalconHive. Distribuído por Templates