0

25 anos sem o maluco beleza, Raul Seixas

Posted by José Flávio Santos de Carvalho on 00:22
Sexta-feira, 22 de agosto


Enquanto você se esforça prá ser
Um sujeito normal
E fazer tudo igual

Eu do meu lado, aprendendo a ser louco
Um maluco total
Na loucura real

Controlando a minha maluquez
Misturada com minha lucidez...


(Maluco Beleza  - Raul Seixas , Claudio Roberto)




São Paulo, capital.

21 de agosto de 1989.

O sol acabara de dar bom dia à cidade que nunca dorme. Antes era assim, São Paulo nunca dormia mesmo, eram vinte e quatro horas de atividades ininterruptas. Hoje?!  Hoje São Paulo continua tão frenética quanto antes... Porém a violência tem mudado muitos dos hábitos dos paulistanos. Muitos estabelecimentos que funcionavam vinte e quatro horas, estão tendo um pouco mais de precaução e baixado suas portas por volta da meia noite. Voltemos à manhã daquele triste dia 21.

As buzinas dos automóveis não favoreciam a qualquer reflexão filosófica, a não ser que se quisesse filosofar sobre o caos urbano. Aí sim, o filósofo teria vasto e amplo material. Os pontos de ônibus estavam repletos de trabalhadores, uns voltando para suas casas, almejando desfrutar um merecido repouso. Outros, ao contrário, se armavam de coragem, e dirigiam-se a uma longa jornada que só terminaria quando o sol estivesse recolhendo da cidade os seus últimos raios. Aos que se utilizavam do metrô ou dos trens urbanos, a situação não fugia à regra.

Em meio a esse tumulto matinal, a empregada doméstica, Dalva Borges, chegava ao Edifício Aliança, localizado à Rua Frei Caneca, 1.100, região central de São Paulo. Ao passar pela portaria, foi informada pelo porteiro do edifício que, na noite anterior, seu Raul tinha chegado muito bêbado ao prédio e ele, o porteiro, teve de carregá-lo até o elevador. Dalva concluiu então que o patrão dormiria um pouco mais naquela manhã. Não ficou preocupada com o fato, pois era comum seu Raul chegar bêbado em casa. Entretanto, não tão bêbado quanto relatara o porteiro.

Subiu ao apartamento 1003. Já passava um pouco das sete horas da manhã. Procurou em sua bolsa a chave do apartamento, conseguiu encontrá-la com alguma dificuldade entre as muitas coisas que trazia consigo. Colocou a chave na fechadura e, após ouvir o barulho da briga entre chave e fechadura, girou a maçaneta e entrou.  O apartamento estava uma verdadeira bagunça. Roupas espalhadas pelos quatro cantos da casa, sapatos e meias jogados a esmo, sem nenhum critério. Um copo de cerveja pela metade. O aparelho de VHS ejetava uma fita de vídeo com um show de Elvis Presley. “Deve ser a milésima vez que seu Raul vê essa fita”, pensou Dalva.

Dalva já trabalhava há algum tempo com o patrão famoso, Raul Seixas. Conhecia-lhe muito bem seus vícios e suas virtudes. Sabia do sofrimento do patrão com o álcool e as drogas.  Ouvia-o falar de seus sonhos, projetos e também de suas decepções. Seu Raul sempre tivera para com ela as melhores palavras, as melhores intenções, os melhores sentimentos. Ele costumava dizer-lhe que eram todos iguais não importava se ela era doméstica e se ele era cantor famoso. Na verdade, o patrão dizia o óbvio ululante que passa despercebido por tanta gente que acha que tem o rei na barriga. Se fosse uma atriz atuando no palco daquele apartamento, Dalva desempenharia vários papeis em uma mesma peça: Uma hora era empregada doméstica, outra hora era conselheira, psicóloga, enfermeira. Muitas vezes, também se sentia no papel de amiga, outras no papel de mãe. Amava desempenhar todos esses papéis para uma pessoa tão especial quanto Raul Seixas.

Abriu caminho entre a bagunça em que estava o apartamento e dirigiu-se ao quarto, como de costume. Após abrir a janela a claridade invadiu o ambiente, o que lhe permitiu ter uma melhor visão do ambiente. Tudo parecia tão normal. O lençol cobria o cantor até, mais ou menos, a altura do peito. Dentro do quarto havia mais um pouco de bagunça que, tão logo ele acordasse, ela trataria de limpar. Deixou-o dormindo tranquilamente e foi cuidar dos demais afazeres da casa.

Arrumou a sala. Foi à cozinha preparou o café da manha e iniciou o preparo do almoço. Achou estranho que até àquela hora o patrão ainda não tivesse acordado. Ela já havia feito tanto barulho pela casa e ele não acordara. Achou isso estranho, pois, geralmente, seu Raul despertava ao menor sinal de barulho. Uma nota de preocupação surgiu em sua testa. Será que ele não estava bem. Preocupada foi ao quarto ver o que estava acontecendo. Abriu a porta com cuidado e verificou que ele se encontrava na mesma posição na qual o encontrara pela primeira vez naquela manhã.

Entrou, tocou no braço dele, chamando-o pelo nome. Nada. O patrão não esboçava a menor reação. Um suor frio percorreu-lhe o corpo, junto com a dúvida: “Será que ele está morto”?

Saiu imediatamente do quarto e correu para o telefone. Ligou para os amigos de Raul. Primeiro para Marcelo Nova e depois para Jerry Adriani. Não conseguia falar com nenhum dos dois. Em desespero, ligou então para José Roberto Romeiro Abrahão, parceiro musical de Raul. Contou o que estava acontecendo. Foi orientada a colocar um espelho nas narinas do cantor e verificar, através do vapor que se formaria no espelho, se ele ainda estava respirando. Foi ao quarto. Fez o procedimento. Lívida, voltou à sala. Pegou o telefone e falou que não havia respiração no patrão, nem o menor sinal de vida. Silencio do outro lado da linha. Em seguida, José Roberto lhe disse para ficar calma que ele logo estaria chegando.

Após falar com Dalva, José Roberto, ligou para Marcelo Nova. Junto com o médico Luciano Stancka foram ao apartamento de Raulzito. Após exames preliminares o médico atestou que o cantor já estava morto há algumas horas, provavelmente tivesse morrido por volta das cinco da manhã, e deu o atestado de óbito. O motivo da morte, segundo atestou o medico, fora pancreatite aguda, doença causada pelo excesso de bebida.

Tristes, os amigos cuidaram de avisar os mais próximos. Cuidaram também para que a notícia não vazasse para a imprensa tão depressa. Queriam evitar tumulto no prédio.

À tarde, quando a imprensa os jornais e TVs de todo o país, noticiaram a morte do astro, houve uma grande tristeza por parte dos fãs do cantor. Sob comoção, o corpo do cantor foi velado no Palácio das convenções do Anhembi, em São Paulo. Milhares de fãs enfrentaram filas intermináveis para ver, pela última vez, corpo do cantor e dar-lhe o último adeus.

Alguns fãs choravam, outros cantavam sucessos consagrados de Raul. Alguns faziam as duas coisas juntas.

Após o velório, um caminhão do Corpo de Bombeiros, levou o corpo de Raul até o aeroporto. De lá Raul voou, como pássaro livre, para sua terra natal, onde foi sepultado.

Raul dos Santos Seixas nasceu em Salvador, no dia 28 de Junho de 1945 e morreu em São Paulo, no dia 21 de agosto de 1989.

Raul Seixas ainda vive através de suas belas canções, regravadas e cantadas por todo o país, vinte e cinco anos após sua morte.

Abaixo, compartilho com vocês, algumas frases de Raul Seixas, extraídas do site Pensador.



A arte de ser louco é jamais cometer a loucura de ser um sujeito normal.

Aprendi o segredo da vida
Vendo as pedras que choram sozinhas
No mesmo lugar."


È sempre mais fácil achar que a culpa é do outro, evita o aperto de mão de um possível aliado.


Sou tão bom ator que finjo ser cantor e compositor e vocês acreditam.


Tente me ensinar das tuas coisas
Que a vida é séria e a guerra é dura,
se não puder cale essa boca
E deixa eu viver minha loucura.


As pessoas não morrem, só acordam do sonho da vida.


Prefiro ser louco, em um mundo onde os normais, constroem bombas.


Um sonho que se sonha só, é só um sonho que se sonha só, mas sonho que se sonha junto é realidade.


Nunca é tarde demais pra começar tudo de novo...


Não diga que a vitória está perdida se é de batalhas que se vive a vida.


Eu não sou louco,
É o mundo que não entende minha lucidez...


Todos os partidos são variantes do absolutismo. Não fundaremos mais partidos; o Estado é o seu estado de espírito.

0 Comments

Postar um comentário

Copyright © 2009 Cottidianos All rights reserved. Theme by Laptop Geek. | Bloggerized by FalconHive. Distribuído por Templates