0

Capoeira e capoeiristas: Riquezas do Brasil

Posted by José Flávio Santos de Carvalho on 00:18
Sábado, 31 de maio

Entrevista Jamil Raimundo (Mestre Museu)

“Nossa grande vitória é fazer o cidadão de bem”

 __________________________________________________
Jornal do Brasil
Domingo, 15 de julho de 2008

Capoeira se torna patrimônio cultural brasileiro


SALVADOR, BAHIA - A capoeira se tornou o mais novo patrimônio cultural brasileiro. O registro desta manifestação foi votado nesta terça-feira, em Salvador, Bahia, pelo Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), que é constituído por 22 representantes de entidades e da sociedade civil, e delibera a respeito dos registros e tombamentos do patrimônio nacional.
O instrumento legal que assegura a preservação do patrimônio cultural imaterial do Brasil é o registro, instituído pelo Iphan. Uma vez registrado o bem, é possível elaborar projetos e políticas públicas que envolvam ações necessárias à preservação e continuidade da manifestação.
Estiveram presentes ao evento o ministro interino da Cultura, Juca Ferreira, o governador da Bahia, Jacques Wagner, o presidente do Iphan, Luiz Fernando de Almeida, o presidente da Fundação Palmares, Zulu Araújo, os embaixadores da Nigéria e do Senegal, além de autoridades locais.
O presidente do Iphan anunciou a inclusão do ofício dos mestres da capoeira no Livro dos Saberes, e da roda de capoeira no Livro das Formas de Expressão. A divulgação e implementação dessa atividade em mais de 150 países se deve aos mestres, que tiveram sua habilidade de ensino reconhecida.
Segundo o ministro interino Juca Ferreira, a votação foi um momento de reparação em relação a esta prática afro-descendente.
- Nós estávamos devendo isso aos mestres de capoeira, responsáveis por uma das manifestações mais plurais e brilhantes de nossa cultura - afirma.
__________________________________________________
Imagem: Facebook Mestre Museu

Esta era a matéria publicada pelo Jornal do Brasil, e por muitos outros veículos de comunicação brasileiros, no do dia 15 de Julho de 2008. Era com grande alegria que capoeiristas da Bahia e de todo o Brasil festejavam a notícia. Afinal, era o reconhecimento de uma parte da identidade cultural brasileira que, durante grande parte do século XIX, e até as três primeiras décadas do século XX, foi considerada uma luta marginal, tendo seu nome e suas práticas associados ao mundo do crime.

A história da capoeira é uma história de altos e baixos. Durante os anos do Império os capoeiras tiveram seus momentos de glória e reconhecimento por terem ajudado o Brasil na guerra do Paraguai. Porém, com o advento da República a capoeira foi rotulada como prática criminosa e perseguida veementemente, tendo sido incluída no Código Penal Republicano, que em seu capítulo XIII, tratava dos “Vadios e Capoeiras”, e prévia penas aplicáveis a esses lutadores, nos artigos 402, 403 e 404 do referido Capítulo.

Enfim, depois de muitas lutas a capoeira se transformou de vilã em heroína. Mesmo assim, não recebeu o devido valor e ainda hoje não ocupa o lugar de honra que lhe é seu por direito, no cenário das manifestações artísticas e culturais brasileiras. Pelo menos, foi o que deduzi após entrevistar, Jamil Raimundo, — um respeitado mestre de capoeira da cidade de Belo Horizonte, no estado de Minas Gerais, que iniciou-se na capoeira durante a década de 70.

Jamil Raimundo — Mestre Museu na capoeira ­— possui uma vasta experiência nessa luta genuinamente brasileira nascida nas senzalas do Brasil colonial. Conheci o mestre Museu, por ocasião do aniversário do mestre Salário, em Campinas, no inicio deste mês. Quando me aproximei para conversar com ele, o mesmo se encontrava sentado ao pé de uma das árvores de uma praça no centro da cidade, onde havia sido comemorado, ao som do Berimbau, o aniversário do mestre Salário. Mestre Museu conversava com uma das discípulas da capoeira, instruindo-a. Esperei que o mestre aconselhasse a moça. Mestre Museu conversava com uma das discípulas da capoeira, instruindo-a. Esperei que o mestre aconselhasse a moça. Terminada a conversa, ele se levantou. Fui até ele e perguntei-lhe se me concederia uma entrevista, pedido que ele, gentilmente, atendeu.

***

Imagem: Facebook mestre Museu

José FlávioSeu nome mestre?

Mestre Museu — Meu nome é Jamil Raimundo.

José FlávioMestre Jamil?

Mestre Museu — Não, meu nome é Jamil Raimundo. Meu apelido na capoeira é mestre Museu, de Belo Horizonte.

José FlávioFale sobre o senhor e sobre sua história na capoeira…

Mestre Museu — Tenho 49 anos. Eu comecei com 10 anos. Já tenho 39 anos de capoeira. O ano que vem faço a festa de 50 anos de idade e 40 anos de capoeira. Sou capoeira da geração de Belo Horizonte, da época de 75, que foi quando eu comecei a capoeira, e hoje tenho um trabalho de capoeira em 12 países, em vários estados do Brasil, e também em mais de 30 cidades do interior de Minas Gerais. A gente faz um trabalho tentando levar um pouquinho da nossa capoeira que muitos brasileiros ainda não conhecem, não sabem o que é a capoeira de verdade. A capoeira, ela é genuinamente brasileira. Hoje a capoeira tomou conta dos cinco continentes. A capoeira… Sou de uma família muito simples, muito humilde, muito pobre, e, hoje, a capoeira já me levou por toda a Europa, para a América, para a Ásia. Hoje, eu conheço tudo através da capoeira. Acho que, se eu tivesse uma outra profissão, não estaria fazendo o que faço hoje. Tenho muitos alunos, tenho uma sede própria em Belo Horizonte. Eu diria que a capoeira me proporcionou isso.

José FlávioComo funciona esse trabalho em outros países?

Mestre Museu — Nós temos trabalhos em vários países, na África, na Polônia, na Bielorússía, por exemplo. A gente tem um trabalho lá com os jovens que começaram capoeira….

José FlávioO Sr. Mesmo coordena esse trabalho?

Mestre Museu — Sou eu que coordeno o trabalho em todos esses países. Nós estamos indo para a Polônia, agora em junho, eu o Mestre Salário, nós estamos indo para a Polônia indo dar mais uma vivência lá. Em setembro eles estarão conosco aqui no Brasil. A gente fica fazendo esse intercâmbio.

José FlávioE o trabalho em Belo Horizonte?

Mestre Museu — A gente faz um trabalho grande em Belo Horizonte. Trabalho com criança que vive em área de risco, criança pobre. O nosso foco maior em Belo Horizonte é trabalhar com criança humilde, crianças pobres, que vivem em situação de risco. Esse é o nosso foco maior, é o nosso objetivo. Muitas vezes, as pessoas pegam uma criança para fazer capoeira. O problema não é fazer um capoeirista, nosso grande grande objetivo, nossa grande vitória é fazer o cidadão de bem. Esse é o nosso maior foco fazer o cidadão de bem.


Imagem: Facebook Mestre Museu


José Flávio — Que diferença o Sr. percebe quando esses meninos chegam na capoeira e depois que eles começam a praticar a luta?

Mestre Museu — Eu fiquei em um projeto, dentro de uma favela, durante nove anos. Tinha mais de duzentas crianças comigo. Dessas duzentas crianças, cinco ou seis foram para o mundo do crime, o restante não. Todas estão trabalhando… Eu tenho acompanhado elas… O projeto acabou, mas nesses nove anos valeu demais o trabalho que nós fizemos nessa vila. É muito importante! Muito, muito gratificante!

José FlávioO Sr. falou em seu discurso que se não tiver cuidado a capoeira, vai ficar restrita aos mestres que já estão na prática. Porque é que a capoeira corre o risco de perder sua força?

Mestre Museu — No meu ponto de vista, o capoeirista, o povo brasileiro, na verdade, ele não é muito agarrado na cultura brasileiraHoje, você pode observar que os praticantes de capoeira, no Brasil e no mundo, são todos de classe média ou pobres. Rico não prática mais capoeira. É uma raridade. Rico não pratica capoeira, eu creio também, por muitas coisas que aconteceram na capoeira. E hoje, a gente vê que as academias de capoeira vão se abrindo e você não tem inscrições de adultos. O que você mais vê são inscrições de crianças. Então o maior foco na capoeira, hoje, são as crianças. As crianças, hoje, estão tomando conta da capoeira. Eu sei que, através dessas crianças, nós vamos ter um futuro melhor. Se depender dos adultos, a capoeira vai parar.

José FlávioMas a presença das crianças é um fator positivo, pois as crianças irão renovar essa tradição…

Altamente positivo. Porém, a gente passa por momentos muito difíceis com capoeira. Aqueles mestres de capoeira, que viviam de capoeira, já não conseguem viver mais dessa arte. Uns foram embora para a Europa. Hoje, a gente tem um número grande de adolescentes ministrando aula de capoeira. Isso não é bom para a capoeira. Esses adolescentes não têm conhecimento, não tem fundamentos. Isso denigre um pouco a imagem de nossa capoeira. Um garoto de dezoito, dezenove anos, ele não tem aquela filosofia, aquele carisma que tem o mestre de capoeira. Então isso faz com que os mestres desistam e vão para outros países, porque os outros países valorizam a nossa arte. Infelizmente, nesse país, a gente não encontra os valores que deveriam ser dados a arte da capoeira.

José FlávioO capoeirista ainda é discriminado nos dias de hoje?

Mestre Museu — Demais, demais, demais. Só para lhe dar um exemplo, vejo eventos com bandas que incentivam o mundo do álcool, o mundo das drogas, e essas bandas são patrocinadas por grandes empresas e, quando nós abrimos nosso coração para receber todas aquelas crianças da periferia — que não precisam de muita coisa, às vezes precisam de uma camiseta, precisam de um lanche, nós estamos levando essas crianças para a sociabilidade, nós não encontramos esses grandes patrocínios, que levam para as praças, grandes movimentos de hap, grandes movimentos de heavy-metal, que incentivam o álcool, que incentivam as drogas, que fala de droga, que falam do uso de entorpecentes. Nós da capoeira fazemos diferente, nós não damos incentivo ao álcool, não incentivamos a droga, pelo contrário, nosso trabalho é socializar, trazer essas crianças para um mundo melhor, trazer essas crianças para um momento melhor., principalmente com família, com vida, e muito respeito ao próximo. É isso o que a gente ensina a essas crianças.

José FlávioMestre, gostaria de agradecer pela entrevista. Esse é um espaço aberto a sua disposição, se quiser acrescentar mais alguma coisa, fique à vontade…

Mestre Museu — Eu quero só te agradecer por essa entrevista e que as pessoas que forem ler o seu blog, que elas comecem a refletir, principalmente, os empresários, pessoas que gostam de ajudar movimentos culturais, para que eles possam ver o que a capoeira tem feito nesse país. As pessoas ainda não viram o que a capoeira tem feito nesse país. O que a capoeira tem feito em nosso país e o que a capoeira tem feito nos países da Europa, nos países da América Central, eu repito, as pessoas ainda não sabem o que a capoeira tem feito nesses países, principalmente nesses países. Esses capoeiristas que estão aí dentro das vilas, nesses aglomerados, falando de social para filho de traficante. Não é qualquer professor que entra dentro de uma favela perigosa e fala de vida social para filho de traficante perigoso, do PCC, do Comando Vermelho. Não é qualquer professor que faz isso. É raro um professor de capoeira, não vou nem falar de um professor de capoeira, vou falar de um educador, mas o capoeirista, ele tem coragem. Lá em Belo Horizonte, eu falo para filho de traficante e o pai está lá porta, com a pistola na cintura, vendo o treino de capoeira, e nós estamos falando de socialização para o filho dele, e ele gosta. Isso é o que o capoeirista faz. As pessoas têm ainda uma mentalidade de uma capoeira do passado, de malandragem. Não, hoje a capoeira não é mais assim. Hoje a capoeira é um momento especial. Hoje viver capoeira é um momento especial, um momento de alegria, de confraternização, de socialização, de educação, e de fazer o verdadeiro cidadão de bem para a sociedade.

0 Comments

Postar um comentário

Copyright © 2009 Cottidianos All rights reserved. Theme by Laptop Geek. | Bloggerized by FalconHive. Distribuído por Templates